O Caminho para a Vida Eterna - CULTO AO VIVO: "OS PRIMOGENITOS PERTENCEM A DEUS" - 15 de março de 2020

"OS PRIMOGENITOS PERTENCEM A DEUS" - 15 de março de 2020

Reprodução da transcrição disponível no site:

https://mensajes.carpa.com/mensajes/1998/09/los-primogenitos-pertenecen-a-dios/?lang=pt-br

onde poderá encontrar os diferente arquivos para download

Muito boa noite amados amigos e irmãos presentes aqui em El Salvador. É uma bênção grande estar com vocês, para compartilhar uns momentos de companheirismo ao redor da Palavra de Deus e Seu Programa correspondente a este tempo final.

Para o qual quero ler no Evangelho segundo São Mateus, capítulo 2, versículos 13 ao 15 (aqui nos fala sobre Jesus, quando tinha 2 anos de idade); diz…

Isto foi depois que os magos chegaram a Belém da Judéia; e visitaram Jesus, a José e Maria; e ofereceram ali ouro, incenso e mirra; e em seguida foram avisados que fossem por outro caminho de regresso ao seu lar, a sua nação.

E agora vejam o que aconteceu com Jesus; diz:

“E, tendo-se eles retirado, eis que o anjo do Senhor apareceu a José em sonhos, dizendo: Levanta-te, e toma o menino e sua mãe, e foge para o Egito, e demora-te lá até que eu te diga, porque Herodes há de procurar o menino para o matar.

E, levantando-se ele, tomou o menino e sua mãe, de noite, e foi para o Egito.

E esteve lá até à morte de Herodes, para que se cumprisse o que foi dito da parte do Senhor pelo profeta, que diz: Do Egito chamei o meu Filho”.

O profeta Oséias, capítulo 11, versículo 1, foi que disse: “Do Egito chamei ao meu filho”. E vamos ver como nos diz; Oséias, capítulo 11, diz (capítulo 11, versículo 1, diz):

“Quando Israel era menino, eu o amei; e do Egito chamei a meu filho”.

E vamos ver também no livro de Êxodo, capítulo 4, versículo 22:

“Então, dirás a Faraó (diz Deus a Moisés): Assim diz o SENHOR: Israel é meu filho, meu primogênito.

E eu te tenho dito: Deixa ir o meu filho, para que me sirva; mas tu recusaste deixá-lo ir; eis que eu matarei a teu filho, o teu primogênito”.

Que Deus abençoe nossas almas com Sua Palavra e nos permita entendê-la.

“OS PRIMOGÊNITOS PERTENCEM A DEUS”.

Deus assim o estabeleceu em Sua Palavra; Números, capítulo 3, dá testemunho desta verdade divina; Números, capítulo 3, versículo 9 ao 13, diz (diz Deus a Moisés):

 

“Darás, pois, os levitas a Arão e a seus filhos; dentre os filhos de Israel lhes são dados em dádiva.

Mas a Arão e a seus filhos ordenarás que guardem o seu sacerdócio, e o estranho que se chegar morrerá.

E falou o SENHOR a Moisés, dizendo:

E eu, eis que tenho tomado os levitas do meio dos filhos de Israel, em lugar de todo o primogênito que abre a madre, entre os filhos de Israel; e os levitas serão meus.

Porque todo primogênito meu é; desde o dia em que feri a todo o primogênito na terra do Egito, santifiquei para mim todo o primogênito em Israel, desde o homem até ao animal; meus serão; eu sou o SENHOR.”

Aqui podemos ver que Deus estabeleceu que os primogênitos pertencem a Ele.

E o que é um primogênito? Um primogênito é o primeiro que foi concebido. O primeiro que foi concebido é o primogênito.

E agora, quando se trata do povo hebreu como nação e de Israel como indivíduo, vejamos este mistério:

Deus quanto a Jacó e Esaú, Deus na Sua mente pensou primeiro em Jacó. Portanto, na mente divina, foi concebido por Deus primeiro Jacó.

E em seguida encontramos que no ventre de Rebeca, a mãe de Jacó e esposa de Isaque, ali foram concebidos estes dois meninos; lutavam no ventre de sua mãe, mas Esaú conseguiu nascer primeiro e em seguida nasceu Jacó; mas vejam, Jacó estava lutando sempre lá no ventre de sua mãe para nascer primeiro.

Agora, temos que — conforme a profecia — a Jacó convinha nascer em segundo; e vinha agarrado no seu irmão: pelo calcanhar e tornozelo, por aí, vinha agarrado Jacó.

Agora, Jacó estava lutando desde o ventre de sua mãe por essa Bênção da Primogenitura. Mas vejam; sempre o mais importante no Programa Divino é em quem Deus pensou primeiro. Quem é primogênito diante de Deus? Em quem Deus pensou primeiro? Isso o importante.

Agora vejam em Gênesis, capítulo 25, versículos 19 em diante, diz:

“E estas são as gerações de Isaque, filho de Abraão: Abraão gerou a Isaque;

 e era Isaque da idade de quarenta anos, quando tomou a Rebeca, filha de Betuel, arameu de Padã-Arã, irmã de Labão, arameu, por sua mulher.”

Vejam, tinha 40 anos quando casou. Atualmente, pois não se espera tanto tempo, porque não se vive tanto tempo. E a jovem não sabemos quantos anos tinha; mas também não se espera tanto tempo neste tempo no qual vivemos, porque as pessoas não vivem tanto tempo. É difícil chegar a 100 anos; chega-se, mas já com uma bengalinha — quase sempre — alguém ajudando.

Agora, Isaque tinha 40 anos quando tomou por esposa Rebeca; diz:

“E Isaque orou instantemente ao SENHOR por sua mulher, porquanto era estéril; e o SENHOR ouviu as suas orações, e Rebeca, sua mulher, concebeu.

E os filhos lutavam dentro dela; então, disse: Se assim é, por que sou eu assim? E foi-se a perguntar ao SENHOR.

E o SENHOR lhe disse: Duas nações há no teu ventre, e dois povos se dividirão das tuas entranhas: um povo será mais forte do que o outro povo, e o maior servirá ao menor.”

Assim que a Jacó convinha nascer em segundo, porque o menor, pois nasce depois que nasceu quem é maior que ele. Era mais velho, talvez por milésimos de segundo; mas Esaú tinha nascido primeiro, portanto, era o mais velho, e Jacó era o mais novo. Mas vejam; a bênção grande estava para quem? Para o mais novo.

E, cumprindo-se os seus dias para dar à luz, eis gêmeos no seu ventre.

E saiu o primeiro, ruivo e todo como uma veste cabeluda; por isso, chamaram o seu nome Esaú.

Chamaram seu nome Esaú (porque Esaú é ‘vermelho’) [Gênesis 25:30]. E agora:

“E, depois, saiu o seu irmão, agarrada sua mão (do) ao calcanhar (ou seja: dos calcanhares) de Esaú; por isso, se chamou o seu nome Jacó. E era Isaque da idade de sessenta anos quando os gerou.”

Agora vejam, aos 60 anos tendo dois filhos, dois menininhos. E Rebeca; não sabemos quantos anos tinha; mas já pelo menos desde que casou tinha passado 20 anos, mais os que tinha primeiro, antes de se casar, ou seja: que tinha digamos de 35 a 50 anos, ela, e teve estes dois meninos.

Vejam; Abraão se casou e sua esposa era estéril. Agora se casa Isaque e sua esposa é estéril também. E em seguida quando se casar Jacó, sua esposa também (Raquel) é estéril.

Mas vejam; em todos os casos a mão de Deus veio em bênção sobre eles, e suas esposas puderam ter filhos; ainda fora do comum, porque eram estéreis; mas Deus abriu a matriz delas, porque para Deus não há nenhuma coisa impossível.

Quando Sara tinha 90 anos, nasceu Isaque (quando…), e Abraão tinha 100 anos. E agora, quando Isaque tem 60 anos, nasce Esaú e Jacó. E em seguida, não sabemos quantos anos Jacó tinha quando nasceu José por meio de Raquel.

E agora, podemos ver que Jacó lutou pela primogenitura (todo o tempo): comprou a primogenitura do seu irmão por um prato de lentilhas; em seguida, quando chegou o tempo onde seu pai Isaque tinha muito poucos anos…, não tinha tantos anos para viver… Mas vejam, ainda restavam mais de 20 anos; porque, em seguida depois de abençoar Jacó e depois abençoar Esaú, Jacó teve que ir (não sabemos quanto tempo viveu depois de receber a bênção); e depois teve que ir a Padan-aram, fugindo de seu irmão…

Mas, vejam vocês, até fugindo um primogênito, vai com a bênção, não a deixa. A bênção o segue, e é abençoado no terreno, no território, onde se encontrar. Tudo operará para bem.

Em seguida, quando regressa… Vejam, quando se foi, não levou ovelhas, não levou esposa, não levou filhos; e quando regressa, vem carregado, vem rico: com ovelhas, vem com filhos e vem com suas esposas, para viver na terra que Deus prometeu a Abraão.

Agora, podemos ver como vem dentre os gentios Jacó: rico, para viver na terra de Israel.

Em seguida, mais adiante encontramos que teve uns problemas familiares; como algumas vezes temos problemas na família, onde os filhos se aborrecem uns com os outros; e assim aconteceu lá, o que não deve existir, mas aconteceu assim.

A José seus irmãos o aborreciam porque tinha sonhos; tinha essa relação direta com Deus, era um homem espiritual; e nos sonhos sempre a parte boa correspondia a José; e seus irmãos o aborreciam. E, porque seu pai Jacó o amava muito, até tinha feito uma vestimenta de diferentes cores (digamos que tinha as cores do arco íris); e eles estavam muito aborrecidos com Jacó.

Mas, embora Ruben fosse o primogênito de Jacó por meio de sua esposa, de Leia, com a que Jacó havia casado era com Raquel. E agora, por meio de Raquel é que teve José.

E vejam os problemas terrenos não anulam a bênção de Deus; os problemas terrenos não anulam a Bênção da Primogenitura.

Esses problemas que Jacó teve lá; em seguida encontramos que não anularam a Bênção da Primogenitura para José, o filho de Jacó por meio de Raquel.

E, quando a Jacó correspondeu abençoar, veio José com seus dois filhos; e no Egito, em terra gentia, esteve falando a bênção sobre José ao abençoar Efraim com a bênção da destra, colocando sua destra sobre ele; e por quanto colocou sua destra sobre ele, tinha que falar a bênção para Efraim primeiro.

Onde está a destra, está a Bênção da Primogenitura.

E agora, na destra de Deus no Céu, o que está? O Livro dos Sete Selos. E onde Deus coloque Sua mão direita, aí estará o Livro dos Sete Selos; porque nesse Livro estão contidas as bênçãos da primogenitura. Nesse Livro, vejam vocês, estão contidos os nomes de todos os primogênitos de Deus, escritos no Céu, no Livro da Vida do Cordeiro.

E agora, encontramos que Jacó abençoa a Efraim; e em seguida abençoa Manassés, colocando sua mão esquerda. Vejam, [tinha colocado sua direita sobre Jacó e a esquerda sobre…] Jacó tinha colocado sua direita sobre Efraim e sua esquerda sobre Manassés, e abençoou estes meninos; e aí estava abençoando a José, ao colocar essa bênção sobre os filhos de José.

Se a José correspondia abençoar seus filhos, ia abençoar Manassés com a Bênção da Primogenitura; mas Jacó, vejam vocês, foi guiado por Deus para abençoar com a Bênção da Primogenitura a Efraim.

No capítulo 48 do Gênesis é que está essa bênção sendo falada, e Jacó diz … Diz o capítulo 48, versículo 14 em diante:

“Mas Israel estendeu a sua mão direita e a pôs sobre a cabeça de Efraim, ainda que fosse o menor, e a sua esquerda sobre a cabeça de Manassés, dirigindo as suas mãos avisadamente, ainda que Manassés fosse o primogênito.

E abençoou a José e disse (vejam como abençoou José): O Deus, em cuja presença andaram os meus pais Abraão e Isaque, o Deus que me sustentou, desde que eu nasci até este dia,

o Anjo que me livrou de todo o mal; abençoe estes rapazes; e seja chamado neles o meu nome e o nome de meus pais Abraão e Isaque; e multipliquem-se, como peixes em multidão, no meio da terra.

Vendo, pois, José que seu pai punha a sua mão direita sobre a cabeça de Efraim, foi mal aos seus olhos; e tomou a mão de seu pai (ou seja: tomou a mão de Jacó), para transpô-la de sobre a cabeça de Efraim à cabeça de Manassés.

E José disse a seu pai: Não assim, meu pai, porque este é o primogênito; põe a tua mão direita sobre a sua cabeça (ou seja: que colocasse sua mão direita sobre a cabeça de Manassés).

Mas seu pai o recusou e disse: Eu o sei, filho meu, eu o sei; também ele será um povo e também ele será grande; contudo, o seu irmão menor será maior que ele, e a sua semente será uma multidão de nações.

Assim, os abençoou naquele dia, dizendo: Em ti Israel abençoará, dizendo: Deus te ponha como a Efraim e como a Manassés. E pôs a Efraim diante de Manassés.”

Agora vejam como a Bênção da Primogenitura correspondia a José; e quando correspondeu a Jacó lançar a primeira bênção sobre seus filhos, lançou sobre José abençoando a Efraim e depois abençoando Manassés.

E agora, Cristo por meio da Cruz, onde Ele morreu por nós, encontramos que a bênção que ia para o povo hebreu, ao rejeitá-lo o povo hebreu…; essa bênção que estava diante do povo hebreu.

Porque frente à mão direita de Jacó, quem estava? Manassés. Quem estava frente à mão esquerda? Efraim.

Essa bênção que estava diante do povo hebreu ali com a presença de Cristo, ao rejeitar a Cristo e ser crucificado na Cruz do Calvário, se tornou para os gentios, para a Igreja gentia; e a bênção da mão esquerda, a Bênção, em seguida passa dos gentios ao povo hebreu.

Agora vejam vocês a bênção tão grande que o povo hebreu rejeitou quando rejeitou Cristo em Sua Vinda.

E agora, por meio da Cruz, por meio do Sacrifício de Cristo a Bênção da Primogenitura corresponde à Igreja do Senhor Jesus Cristo. E os membros da Igreja de Jesus Cristo são os primogênitos de Deus, escritos no Céu, no Livro da Vida do Cordeiro.

Agora, qualquer pessoa se perguntaria… Mesmo que não fosse o povo hebreu receber Cristo em Sua Primeira Vinda, tudo isso já estava programado; mas pensemos: se o povo hebreu tivesse recebido Cristo como seu Salvador, lá o tivesse recebido como seu Rei e tivesse começado o Milênio lá, teria começado o Milênio. E o que teria acontecido? Pois em vez de nós nascermos entre os gentios, teríamos nascido no meio do povo hebreu. Mas, recordem, nos correspondeu nascer no meio dos gentios porque a Bênção da Primogenitura foi colocada entre os gentios.

E agora, encontramos que assim como por meio de um homem, Jacó, o qual; vejam vocês, viveu na terra que Deus prometeu a Abraão e a Isaque como herança… Jacó viveu ali, mas em seguida teve que ir para Padan-aram (e de lá regressou rico); e em seguida depois de viver uma temporada na terra de Israel, em seguida teve que ir ao Egito, porque acabou o alimento lá na terra de Israel; mas quando foi ao Egito, José já estava no Egito. E o Egito representa os gentios; é território gentio.

E agora, para o tempo final, encontramos que por quanto Cristo foi vendido, rejeitado e vendido e crucificado, agora Cristo nosso José se encontra entre os gentios; desde que se voltou aos gentios, da casa de Cornélio [Atos 10], onde se abriu a Porta para os gentios, daí em diante, Cristo se moveu entre os gentios; e já quando São Paulo começa seu ministério e Deus o usa na Ásia Menor, ali Cristo já em Espírito Santo está entre os gentios, abençoando os Seus escolhidos, Seus primogênitos, escritos no Céu, dando a redenção.

Ou seja: que à medida que São Paulo levava a Mensagem e as pessoas criam — e recebiam Cristo como seu Salvador e lavavam seus pecados no Sangue de Cristo e recebiam o Espírito de Cristo —, estavam recebendo essa Bênção da Primogenitura na primeira parte, que é o novo nascimento, obtendo assim um corpo teofânico da sexta dimensão.

Ou seja: que se entra a essa Bênção da Primogenitura, onde se realiza o Programa de criação; é um Programa de criação. Deus está criando um povo para Seu Nome.

Assim como por meio de um homem, Jacó; vejam vocês, vieram os patriarcas, e daí vieram os filhos dos patriarcas; e assim, de um só homem, veio um povo: o povo de Israel.

E agora por meio de um só homem, nosso amado Senhor Jesus Cristo, vem um povo para Seu Nome que formaria multidão de nações. Cristo por meio dessa manifestação, derramando Sua Bênção da Primogenitura sobre Sua Igreja entre os gentios, Ele está formando multidão de nações; Ele está criando um Israel celestial.

No Israel terreno, tanto Jacó, que foi abençoado pelo Anjo quando lhe mudou o nome (e pôs por nome Israel, que significa ‘príncipe com Deus’ ou ‘príncipe com poder com Deus’)… Encontramos que Jacó, vejam vocês, se tornou a cabeça de uma nação que Deus criaria.

Deus é quem criou a nação hebraica; a única nação criada por Deus. E vejam como a trouxe à existência: por meio de Jacó, o qual se tornou Israel.

Encontramos que assim como Jacó, depois de estar no Egito e viver no Egito quando houve fome (e foi levado lá com seus filhos, porque José o levou ao Egito); em seguida, quando foi morrer, disse [Gênesis 49:29-31]: “Vocês não me deixem aqui. Meu corpo leva para lá, à terra de Israel, (ou seja) a minha terra; e me coloquem lá, onde está Abraão e Isaque, e todos eles, no lugar que Abraão comprou para sepultura”, ou seja: o cemitério privado de Abraão, em palavras mais claras. E quando Jacó morreu, José o levou lá, conforme a promessa que tinha feito [Gênesis 50:1-13]; e era um juramento. Em seguida, vejam vocês, Jacó retornou à terra prometida.

Em seguida, quando José foi morrer, ele disse [Gênesis 50:24-25]: “Também não me deixem aqui. Vocês me levem para lá, à terra de meus pais; para lá me levem quando vocês saírem”. Não era para levar no momento que morresse, mas quando eles saíssem; José disse: “Porque Deus os libertará, os levará de retorno à terra de Israel”. Vejam; José sabia o que iria acontecer mais adiante.

José foi embalsamado no Egito; sendo o segundo no reino do Egito, tinha uma posição muito alta; mas quando chegou o momento do êxodo, José foi tomado, o corpo de José foi tomado pelos hebreus, e o levaram no êxodo [Êxodo 13:19].

Vejam, para o êxodo, para a saída do povo hebreu do Egito era necessário um sacrifício: o cordeiro pascoal, o qual seria sacrificado na véspera da Páscoa. E, para todo primogênito de Israel lá no Egito, era necessário esse cordeiro pascoal, e seu sangue aplicado no umbral da porta da casa; e também esse cordeiro dentro da casa assado, sendo comido por todos os que estavam nessa casa. E assim a vida dos primogênitos de Deus seria livrada; e pertenceriam a Deus todos os primogênitos de Deus, porque foram livrados pelo sangue do cordeiro pascoal.

E agora, Deus diz [Números 3:13, 8:17]: “Todo primogênito — que abre matriz — é meu; desde dia em que eu os livrei lá no Egito.”

Agora podemos ver que Deus é o Pai e Dono de todos os primogênitos. Todos os primogênitos pertencem a quem? A Deus, por causa do sacrifício que foi feito pelos primogênitos lá no Egito, pelo qual foram livrados.

E em lugar dos primogênitos, Deus deu a Aarão — o sumo sacerdote — os levitas, em representação dos primogênitos. Por isso os levitas não tinham herança aqui. Por exemplo, a tribo dos levitas não tinha um território, mas que eles seriam os que estariam como os ajudantes do sumo sacerdote e os sacerdotes descendentes de Aarão; porque o sacerdócio pertencia a Aarão, porque a vara de Aarão foi a que reverdeceu; e isso foi a ordem que Deus deu a Moisés [Números 17:1-9]. Ele disse que a vara que reverdecesse, a esse seria que pertenceria o sumo sacerdócio, e a parte dos sacerdotes; o sacerdócio, incluindo o sumo sacerdote e demais sacerdotes.

E em seguida deu aos levitas; porque parece que houve outros levitas que queriam ter a parte do sacerdócio. Por exemplo, os de Datã, Coré e Abirão, vejam essas pessoas, alguns deles pertenciam à tribo de Levi; e dentre eles houve um grupo que com seus incensários (eram quantos incensários? Como 250 Miguel?)… 250 incensários desse grupo; que eram família de Moisés, mas vejam, estavam lutando pelo sacerdócio e estavam lutando para serem os que teriam a posição principal no templo; mas Deus arrumou isso, e ordenou a cada um tomar sua vara, a vara de sua descendência familiar.

Por exemplo, Aarão tomaria sua vara de sua descendência e sua ascendência; tinham uma vara onde escreviam o nome. Aarão vinha de Anrão (que era o pai de Moisés também), Anrão vinha de tal pessoa, e assim por diante até que chegavam a Levi. E em seguida, daí para baixo, os demais, os filhos de Aarão, aí estavam na vara; e assim essa é a vara genealógica.

E a que reverdecesse seria a que tomaria o sacerdócio, incluindo a posição do sumo sacerdote e demais sacerdotes. E em seguida ao restante, pois corresponderia ser os ajudantes.

Algumas vezes há pessoas que foram colocadas como ajudantes, e querem ter a liderança, e têm problemas com Deus.

Agora, os levitas foram colocados como os ajudantes para o sumo sacerdote e outros sacerdotes descendentes de Aarão.

E agora, em lugar dos primogênitos, foram colocados os levitas. Os levitas, em certo momento, atuaram muito melhor que os sacerdotes: se santificaram e todas estas coisas [2ª Crônicas 29:34].

Agora, a primogenitura, vejam vocês… E os primogênitos do povo hebreu estão representados nos levitas. Por isso não podiam ter herança no meio do povo hebreu.

Agora, assim como por meio de um homem, Jacó (que é Israel ao receber o novo nome), Deus trouxe à existência uma nação, uma nação criada por Deus; agora por meio de outro homem, do qual Deus diz [Oséias 11:1, São Mateus 2:15]: “… do Egito chamei o meu filho”, e se cumpriu essa profecia em Jesus, agora Ele está criando um Israel celestial.

E esse Israel celestial é o fruto da Bênção da Primogenitura, que Cristo nosso José colocou entre os gentios sobre Sua Igreja; e por meio dessa bênção é que Deus, Jesus Cristo está formando, criando, multidão de nações. Por meio dessa Bênção da Primogenitura que Cristo tem, Ele produz multidão de nações.

Por exemplo: assim como o povo hebreu está composto por 12 tribos, quando mencionamos a José como tribo…

Quando mencionamos a Efraim e a Manassés, já não se menciona José e então já são 13 tribos; mas não há 13 tribos. É que os 2 filhos de José, Efraim e Manassés, formam essas 2 tribos; mas quando condensamos essas tribos em José, já é uma só tribo. O que acontece é que a Bênção da Primogenitura tem uma dupla bênção da parte de Deus, tem duas partes.

Agora podemos ver que temos a parte de Efraim e a parte de Manassés. Por isso é que Deus esteve chamando um povo para Seu Nome dentre os gentios; e em seguida no Último Dia também chamará 144.000 hebreus, os quais crerão tanto na Segunda Vinda de Cristo como na Primeira Vinda de Cristo.

E aí, vejam vocês, primeiro veio a bênção para a Igreja gentia, a Bênção da Primogenitura; e depois que é completada essa bênção e se completam os escolhidos de Deus, os primogênitos de Deus — escritos no Céu, no Livro da Vida do Cordeiro—, dentre os gentios, da Igreja de Jesus Cristo, em seguida (Jacó… assim como Jacó falou a bênção em seguida para Manassés) Cristo a falará para o povo hebreu. E é a bênção de José, sendo falada aos filhos de José.

E agora, Cristo está representado em Jacó, também está representado em José.

Vejam, quando José está no Egito e se revela a seus irmãos, onde se revelou? Em terra gentia; mas ali estava com um novo nome, e estava vestindo como um gentio, e estava na posição ali de segundo no trono.

Agora podemos ver que o faraó ali representa Deus em Seu Trono, e José representa Jesus no Trono de Deus, sentado à destra de Deus.

E, para o Último Dia, Cristo se revelará a Seus irmãos, o povo hebreu, e eles o verão; o verão e vão dizer: “Este é ao que nós estamos esperando”.

Agora, é muito importante saber como o verão; porque eles o estão buscando a muito tempo. Eles estão buscando a Cristo, mas Ele vai se revelar a eles muito em breve, conforme a como está prometido. Na página 41 do livro Citações, versículo 334, diz:

334 – “OH, José, quando viu o menino Benjamim parado ali.”

E Benjamim representa a quem? Aos 144.000.

“… quando viu o menino (a seu irmão menor) Benjamim parado ali. Esse é seu irmão menor. Ele viu o menino Benjamim, agora tão jovem parado ali. As tribos da Terra, ou os judeus, retornam ali onde haverá 144.000 deles parados ali para receberem Cristo quando o virem vir. Eles dirão: ‘Eis aqui, este é o nosso Deus em quem esperamos’. Então verão suas feridas… ‘De onde vieram essas?’ Ele dirá: ‘Na casa dos meus amigos’. E chorarão e lamentarão. E cada família, suas tribos de Davi e Naftali, e separarão todos, cada família, e eles lamentarão quando o virem em pé no ar. O que transpassaram.”

Agora vejam como tudo isto… Isto disse nosso irmão Branham pelo ano 1958; desse ano até 65, Deus deu mais luz sobre todo este mistério da Vinda de Cristo e Seu Programa para Sua Igreja gentia e também para o povo hebreu.

Agora, se vocês, ao lerem isto que temos lido, ao verem isto, em seguida encontram em outro lugar onde o irmão Branham fala sobre a Vinda do Senhor… E, vejam vocês, diz (vejamos) [Citações, pág. 13-A, parágrafo 126]:

126 – “‘… o Filho do Homem se revelará a Si mesmo como o Filho do Homem, tal e como o fez nos dias de Sodoma’. Acusadores cegos, não podem ver isso? Suas Palavras são verdadeiras! Sem pregos, sem cicatrizes nem rastros, sem espinhos. É o Filho de Deus personificado em Sua Igreja como Filho do Homem. Tem que cumprir Malaquias 4 e o resto das Escrituras. O Filho do Homem revelado então como profeta; Filho de Davi, o Rei; e agora o Filho de Deus para as eras da igreja (ou seja: para as sete eras esteve se revelando como Filho de Deus, mas para o sétimo milênio é como Filho de Davi)”.

Agora, vejamos:

126 – “Como Deus não é homem, Deus é espírito, e o Espírito Filho é o Espírito Santo, o qual está revelando a era da igreja. Mas está prometido aqui que nos últimos dias o Filho do Homem se revelaria!”

E como se revelaria? Em carne humana.

Agora vejam, diz: “Sem cicatrizes, sem espinhos (sem espinhos na cabeça, a coroa de espinhos)”, e coisas assim; e o que significa isto? Isto o que nos mostra é que o povo hebreu, quando receber Cristo no Último Dia, conhecerá em seguida a história do que foi a Primeira Vinda de Cristo; e aí é onde vê as feridas, em Sua Primeira Vinda; e ele compreenderá o porque teve que ser ferido.

Agora, o verá no Último Dia; vejamos como o verá. Na mesma página 13-A, diz:

128 – “Agora, o que prometeu Ele? Vindicar-se a Si mesmo em um homem, um corpo humano (portanto esse corpo não tem que ter as feridas aquele corpo teve), como o fez a Abraão: ‘Quando o Filho do Homem…’ Seria o Filho do Homem, não o Filho de Deus agora; o Filho de Deus no Filho do Homem. No capítulo 1, versículo 2, de Ezequiel, Jeová chamou Ezequiel o Filho do Homem, exatamente como Jesus se chamou a Si mesmo. Vocês entenderão isso através do ensinamento da semana. Veem? O que é o Filho do Homem? Profético (ou seja: um profeta). O que seria Malaquias 4? Um profeta. Quais eram estas coisas que hão de acontecer nos últimos dias? Agora, Ele não disse quando. Ele disse que aconteceriam. Ele ainda é o Filho de Deus, o Filho do Homem; preparado para ser revelado nos últimos dias no Trono de Davi como Filho de Davi. Ele é a Palavra. E Ele só está mudando de máscara, pelo que não se podia ver o que está absolutamente declarado, a Palavra encarnada.”

É Deus mudando de véu de carne.

Ele tem feito isso sempre: mudou de Adão para Sete; e assim por diante de Sete mudou para os diferentes profetas, como também de Enoque para Noé. Mudou de Noé também para outros profetas, e depois para Abraão; e depois aos outros mensageiros, e depois para Moisés. E de Moisés mudou para Josué, e de Josué mudou para (digamos) Samuel, e de Samuel para os outros profetas; e daí continuaram (de outros profetas) Elias, Eliseu (todos estes profetas) e João Batista; e daí, para Jesus em toda Sua plenitude. E de Jesus para os apóstolos, e em seguida para os sete anjos mensageiros; e para este tempo final, virá manifestado velado em Seu Anjo Mensageiro em carne humana. É Deus mudando de véu de carne.

Agora podemos ver… vejam, aqui na página 22 do livro Citações, diz (vejamos):

[183] – “O Filho do Homem já veio da Sua glória e está se revelando a Si mesmo pelos quantos anos passados à Sua Igreja em misericórdia; ensinando Sua grande presença, fazendo as mesmas coisas que Ele fez quando Ele esteve aqui na Terra, se revelando a Si mesmo como Ele o fez a Abraão antes da destruição.”

Vimos isso manifestado em nosso amado irmão Branham, o precursor da Segunda Vinda de Cristo.

“Ele veio agora em misericórdia revelando-se a Si mesmo à Igreja; riram e o escarneceram. Na próxima vez que Ele se revele a Si mesmo, será no julgamento do mundo e as nações que se esqueceram de Deus e pecaram sua maneira de graça… Seu Dia de Graça (ou seja: a Dispensação da Graça)…”

Agora vejam que em seguida depois de se revelar por meio do precursor da Segunda Vinda de Cristo, se revelara de novo já nessa revelação onde Ele estará operando a favor de Sua Igreja.

Recordem; Cristo é o Sumo Sacerdote do Templo que está no Céu; e se veio revelando em Sua Igreja como o Sumo Sacerdote, ou seja: fazendo intercessão pelos que têm seus nomes escritos no Livro da Vida do Cordeiro desde antes da fundação do mundo; e Ele esteve no meio de Sua Igreja refletindo o que Ele está fazendo lá no Céu, no Trono de Intercessão.

E, consequentemente, o que Ele opera lá no Céu, no Trono de Intercessão, como Sumo Sacerdote, fazendo intercessão com Seu Sangue, se reflete em Sua Igreja de etapa em etapa, para estender assim Sua bênção sobre os que têm seus nomes escritos no Céu, no Livro da Vida do Cordeiro; nesse Livro que está na destra de Deus — em Apocalipse, capítulo 5 — fechado, selado, e que em seguida Cristo toma e o abre no Céu; o qual Ele faz quando termina Sua Obra de Intercessão no Céu: ali mesmo Ele muda e toma esse Livro, o abre no Céu e depois desce à Terra com ele aberto.

Agora, podemos ver que Cristo no meio da Sua Igreja chama e junta os Seus escolhidos, se manifesta e Sua Intercessão no Céu se reflete na Terra, estendendo Sua misericórdia sobre os que têm seus nomes escritos no Livro da Vida do Cordeiro.

E assim Ele esteve formando multidão de nações entre os gentios. Para o Reino Milenial, pois estarão na Terra, assim como estão no meio do povo hebreu a tribo de Judá, a tribo de cada um dos filhos de Israel; mesmo que atualmente não saibam nem a que tribo pertencem a maior parte deles, e as tribos não estão nessa forma estabelecidas; mas no Reino Milenial serão estabelecidas.

Mas no Israel celestial, vejam vocês, assim como por meio de Jacó (o qual se tornou Israel quando recebeu a bênção de Deus)…

Vejam, teve 12 filhos, os quais são os representantes, as cabeças, dessas tribos; e o território de Israel foi dividido nessas tribos, sob os nomes desses filhos de Jacó. Ou seja: que cada tribo leva o nome de cada um dos patriarcas, cada um dos filhos de Jacó; mas quando juntamos todas as tribos, que nome levam? Um só nome: Israel.

Mas quando nos colocamos a buscar sob o nome de Jacó, como está formada essa nação Israel, então vemos por aqui a Rubén, por aqui a Simeão, por aqui a Dã; por outro lado podemos ver Manassés, por outro lado podemos ver Efraim. Quando vemos Manassés e Efraim, estamos vendo que tribo? A tribo de José. Essa é a maior tribo. E agora, por outro lado podemos ver a tribo de Judá, e assim por diante.

E agora, ao olharmos para Israel celestial, que é a Igreja do Senhor Jesus Cristo, a qual leva o nome de que foi chamado do Egito (“… do Egito chamei o meu filho”), ou seja: Jesus Cristo; agora, Jesus Cristo assim como Jacó recebeu um novo nome, Jesus diz que tem um novo nome; se o tem é que o recebeu. Apocalipse, capítulo 3, versículo 12, diz:

“A quem vencer, eu o farei coluna no templo do meu Deus, e dele nunca sairá; e escreverei sobre ele o nome do meu Deus e o nome da cidade do meu Deus, a nova Jerusalém, que desce do céu, do meu Deus, e também o meu novo nome.”

Assim como encontramos Jacó recebendo um novo nome, Jesus recebeu um novo nome também. E por isso foi colocado no Céu, no Trono de Deus, e foi dado poder sobre os Céus e a Terra: “É-me dado todo o poder no céu e na terra.” [São Mateus 28:18].

E agora, vejam como Cristo esteve criando uma nova raça, um Israel celestial; porque no Israel terreno se refletiu o Israel celestial. Agora temos Jacó que é Israel como indivíduo, e temos Jacó, a Israel, como nação.

Encontramos que o primogênito é o primeiro no qual…, o primeiro que é concebido. E Jacó foi concebido na mente de Deus primeiro [antes] que Esaú. E agora, Jacó como nação, Israel como nação foi concebida na mente de Deus antes que as nações terrenas que há atualmente.

E agora Jesus, no qual se cumpre o de Jacó, vejam, foi chamado do Egito: “… do Egito chamei o meu filho”; e isso estava falando de Jacó, mas se cumpre em Jesus, que é o Príncipe, Pai Eterno, Príncipe da Paz.

E agora, o Príncipe que apareceu a Jacó e o abençoou e lhe mudou o nome, o Anjo do Senhor, o Anjo do Pacto, é o nosso amado Senhor Jesus Cristo, que é o Príncipe dos Céus e da Terra.

E agora este Príncipe é quem tem o Nome que Israel celestial terá; e Ele disse que tem um nome novo. Por isso é que para o Último Dia (que é o sétimo milênio), o Israel celestial estará recebendo o nome novo com o qual estará no Reino Milenial.

Na página 355 e 356 do livro As Eras diz [pág. 353]:

“125. A Noiva vai estar com o Noivo. Ele nunca a deixará. Ela sempre estará ao Seu lado. Ela compartilhará o Trono com Ele. Ela será coroada com Sua glória e honra.

126. ‘E escreverei sobre ele o Nome do meu Deus, e o nome da cidade do meu Deus’. E qual é o Nome de Deus? Pois Ele foi Deus conosco, ou melhor, Emanuel, mas esse não foi o nome que lhe puseram. ‘E chamará seu nome Jesus’ (Lucas 1:31). Jesus disse: ‘Eu vim em nome de meu Pai, e não me receberam’ (João 5:43). Mas, por isso, o Nome de Deus é Jesus, porque nesse Nome veio Ele. Ele é SENHOR JESUS CRISTO. E que nome toma uma mulher quando se casa com o homem? Ela toma seu nome. Será Seu Nome que é dado à Noiva quando Ele a toma a Si mesmo.”

E agora, lemos na página 356; diz [pág. 354]:

“128. ‘E escreverei sobre ele meu nome novo’. Meu Nome novo. Quando TUDO se torna novo, então Ele também terá um Nome novo; e esse Nome também será o nome da Noiva.”

E esse Nome Novo será o que? Também o Nome da Noiva, ou seja: da Igreja de Jesus Cristo. Assim como, vejam; o nome dos descendentes de Israel, de Jacó, são…, esse nome é Israel.

“O que aquele Nome é ninguém se atreve a conjeturar. Teria que ser uma revelação do Espírito dada tão conclusivamente que ninguém se atreveria a negá-la. Mas sem dúvida, Ele deixará aquela revelação para o dia em que Ele desejar mostrar o Nome. É suficiente conhecer que este Nome será muito mais maravilhoso do que nós jamais poderíamos imaginar.”

Agora vejam, durante a Dispensação da Graça, a Igreja de Jesus Cristo teve o Nome de Noiva: é a Igreja do Senhor Jesus Cristo; ela leva o Nome de Noiva. Porque Paulo disse que Ele desposou a Igreja como uma virgem pura a Cristo [2ª Coríntios 11:2].

Maria quando esteve desposada com José não queria dizer que estava casada, mas que estava desposada, comprometida com José. E assim esteve a Igreja de Jesus Cristo durante todos estes dois mil anos que transcorreram.

Agora, qualquer pessoa que pense que a Igreja do Senhor Jesus Cristo esteve casada, então, quando lemos em Apocalipse, capítulo 19, versículos 7 ao 10, onde diz:

“Regozijemo-nos, e alegremo-nos, e demos-lhe glória, porque vindas são as bodas do Cordeiro, e já a sua esposa se aprontou.

E foi-lhe dado que se vestisse de linho fino, puro e resplandecente; porque o linho fino são as justiças dos santos.

E disse-me: Escreve: Bem-aventurados aqueles que são chamados à ceia das bodas do Cordeiro. E disse-me: Estas são as verdadeiras palavras de Deus.

E eu lancei-me a seus pés para o adorar, mas ele disse-me: Olha, não faças tal; sou teu conservo e de teus irmãos que têm o testemunho de Jesus; adora a Deus; porque o testemunho de Jesus é o espírito de profecia.”

Aqui podemos ver que o Anjo diz a João que chegaram as Bodas do Cordeiro.

E na parábola das dez virgens [São Mateus 25:1-13], encontramos que Jesus fala da Igreja, de Sua Igreja-Noiva, e também fala das virgens insensatas. As virgens prudentes é a Igreja-Noiva de Cristo e as virgens insensatas é o resto do cristianismo; cristianismo professante, crentes em Jesus Cristo, mas que não têm o azeite em suas lâmpadas, ou seja: o Espírito Santo (o batismo do Espírito Santo); portanto, não nasceram de novo, mesmo que sua vida seja uma vida exemplar.

Mas para nascer de novo é necessário o batismo do Espírito Santo, para assim entrar no Reino de Deus e assim obter o corpo teofânico da sexta dimensão, no Programa de criação de Jesus Cristo, desta nova raça que Ele está criando, que é o Israel celestial; para os quais no Último Dia Ele dará o novo corpo, o corpo físico glorificado e eterno, e então estaremos à imagem e semelhança de nosso amado Senhor Jesus Cristo.

O Israel celestial, que é a Igreja de Jesus Cristo, está composto pelos primogênitos de Deus, escritos no Céu, no Livro da Vida do Cordeiro; dos quais, São Paulo nos fala na sua carta aos Hebreus.

Agora, vejam como — capítulo 12 de sua carta aos Hebreus — diz São Paulo [versículo 22]:

“Mas chegastes ao monte Sião, e à cidade do Deus vivo (a essa é cidade a qual pertencemos), à Jerusalém celestial, e aos muitos milhares de anjos,

Á universal assembleia e igreja dos primogênitos, que estão inscritos nos céus, e a Deus, o Juiz de todos, e aos espíritos dos justos aperfeiçoados;

E a Jesus, o Mediador de uma nova aliança, e ao sangue da aspersão, que fala melhor do que o de Abel”.

Aqui podemos ver que temos os primogênitos de Deus escritos no Céu; temos o Juiz de todos, os espíritos dos justos aperfeiçoados (ou seja: espíritos teofânicos, corpos teofânicos, são esses espíritos perfeitos); e temos, vejam vocês, aqui, os primogênitos de Deus, que são os membros da Igreja de Jesus Cristo, que têm seus nomes escritos no Céu, no Livro da Vida do Cordeiro.

Nesse Livro da Vida do Cordeiro também estão os 144.000 hebreus. Por isso é que antes de começar a tribulação, o chamado para eles sairá.

Por isso é que antes de terminar nossa estadia aqui na Terra, quando nós formos transformados e os mortos em Cristo ressuscitados, haverá uma manifestação de Deus em toda Sua plenitude em Sua Igreja já com corpos eternos; e o povo hebreu verá essa manifestação, e dirá: “Isto é o que nós estamos esperando.”

E verão a Cristo, o Anjo do Pacto, o Anjo do Senhor, Jesus Cristo manifestado no Último Dia, na manifestação correspondente ao tempo final, pela manifestação dos ministérios de Moisés pela segunda vez, de Elias pela quinta vez e de Jesus pela segunda vez, ministérios que Jesus Cristo estará operando em Espírito Santo através do Seu Anjo Mensageiro; e o povo hebreu dirá: “A este é o que nós estamos esperando”.

E o povo hebreu receberá uma mudança de dispensação: serão mudados da Dispensação da Lei à Dispensação do Reino, onde receberão as leis divinas escritas na alma, no coração; assim como os escolhidos dentre os gentios, os escolhidos do Israel celestial recebem as leis divinas escritas onde? Na alma, no coração.

Agora vejam o porquê Cristo teve que morrer na Cruz do Calvário: teve que morrer pelos primogênitos de Deus, escritos no Céu desde antes da fundação do mundo; assim como teve que morrer um cordeiro no dia anterior à Páscoa, na véspera da Páscoa, no meio do povo hebreu lá no Egito, para a liberação dos filhos de Israel. E agora, para a liberação do Israel celestial, morreu o Cordeiro de Deus na Cruz do Calvário.

E, vejam vocês, com a morte do primogênito, desses primogênitos lá no Egito, desses cordeiros, encontramos a favor dos primogênitos do povo hebreu, encontramos que com esse sacrifício que foi feito — que livrou os primogênitos da morte — se tornaram de Deus todos os primogênitos de Deus, porque foram comprados por meio desse sacrifício. Estavam sentenciados à morte todos os primogênitos, mas vejam: por meio do sacrifício daquele cordeiro pascoal que cada família oferecia, sacrificava, foram livrados; e foram comprados todos os primogênitos para Deus.

E vejam vocês, por meio do Sacrifício de Cristo, todos os primogênitos —escritos no Céu — foram comprados por Cristo, por meio desse Sacrifício; e pertencem a Deus todos os primogênitos, escritos no Céu, no Livro da Vida do Cordeiro.

Mesmo que venham a esta Terra no meio de uma raça caída e se encontrem no meio de um mundo perdido, Cristo por meio do Seu Sacrifício nos compra para Deus. Ele nos comprou com Seu Sangue precioso derramado na Cruz do Calvário, para que não morramos, mas que vivamos eternamente com Deus. E assim somos livrados tanto da morte espiritual como da morte física — para o corpo, o espírito e a alma — que será manifestada no lago de fogo.

O lago de fogo é a segunda morte, onde serão lançados todos aqueles que deixarão de existir; serão lançados em corpo, espírito e alma. E nós somos livrados por meio do Sacrifício de Cristo dessa segunda morte, ou seja: do lago de fogo.

Agora vejam o porquê: porque Ele nos comprou com Seu Sacrifício na Cruz do Calvário, derramando Seu Sangue na Cruz do Calvário; e agora Seu Sangue está aplicado em nossa alma, em nosso coração, no batente e no umbrais da porta de nossa alma, de nosso coração. E a evidência é o Espírito de Cristo, que é a Vida do Sangue em nós manifestada.

Agora vimos que os primogênitos de Deus são os que têm a bênção de Deus.

Os primogênitos de Deus são os que reinarão com Cristo por mil anos e estarão com Cristo por toda a eternidade; porque fomos comprados pelo Sacrifício de Cristo para Deus, comprados para Deus pelo Sacrifício de Cristo; portanto, todos os primogênitos, Deus diz que são Seus. Todos os primogênitos, escritos no Céu, no Livro da Vida do Cordeiro, de quem são? De Deus.

Agora vimos que por meio do segundo Adão, que é também quem foi chamado do Egito quando foi ao Egito (e se cumpriu n’Ele o que tinha se cumprido no povo hebreu, em Jacó: “… do Egito chamei o meu filho”); agora por meio de Jesus, vem à existência o Israel celestial.

E o Israel celestial, assim como o Israel terreno tem as diferentes tribos (e cada tribo é nomeada por um nome de um filho de Jacó), encontramos que o Israel celestial, vejam vocês, também tem suas diferentes — diríamos — tribos. Por exemplo, assim como Jacó teve 12 filhos, encontramos que nosso Senhor Jesus Cristo esteve tendo filhos e filhas, e teve os cabeças, as cabeças, de cada era, que são os anjos mensageiros de cada era.

E agora, o grupo da primeira era da Igreja gentia é o grupo de São Paulo: leva o nome de São Paulo; assim como a tribo de Judá leva o nome de Judá.

Agora, temos as sete etapas ou eras da Igreja gentia e a Era da Pedra Angular. E aí temos o que foi refletido nos 12 filhos de Jacó; mas em um deles estava a Bênção da Primogenitura, um deles era quem tinha a maior bênção. Por isso é que a Bênção da Primogenitura tem uma porção o que? Dupla.

Por meio de cada anjo mensageiro encontramos que Cristo esteve operando entre os gentios, mas nenhum pôde conquistar o povo hebreu. É que é necessário que essa Bênção da Primogenitura esteja manifestada em toda sua plenitude, e isso é para o Último Dia, para o sétimo milênio, e para a Era da Pedra Angular.

Por isso todos os anjos mensageiros trataram de converter o povo hebreu a Cristo e não puderam, porque eles somente tinham uma porção. Mas agora… Vejam nosso irmão Branham, tinha a porção de Elias, a manifestação pela quarta ocasião do ministério de Elias. Mas agora necessário uma dupla porção ministerial: a porção das Duas Oliveiras, a porção de Moisés e de Elias. Recordem que a Bênção da Primogenitura tem uma dupla porção.

E agora, José. Temos a José e seus dois filhos; aí podemos ver três. É que a Bênção da Primogenitura de José é repartida a Efraim e Manassés.

E agora, por meio da manifestação de nosso José (de nosso Senhor Jesus Cristo), por meio da manifestação do Espírito Santo (que é Jesus Cristo em Espírito Santo), operando Seu ministério (o ministério de Jesus), estará repartindo a bênção aos ministérios de Moisés e de Elias; e estará operando os ministérios de Moisés e Elias.

E por isso, vejam vocês. O quarto Elias com o ministério de Elias não pôde ir ao povo hebreu. O ministério de Elias é para hebreus e gentios, opera nos dois povos, mas faltava a outra porção: a de Moisés; e esse ministério de Moisés é para o povo hebreu, e foi quem deu a Lei ao povo hebreu; e é um ministério dispensacional, que é maior que um ministério de uma era.

E agora, com os ministérios de Moisés pela segunda vez e de Elias pela quinta vez (o ministério das Duas Oliveiras de Apocalipse, capítulo 11, versículo 3 em diante, e Zacarias, capítulo 4), Jesus Cristo, o Anjo do Pacto, operando o ministério de Jesus, de Moisés e de Elias, poderá neste tempo final tratar com os gentios (e a porção correspondente aos gentios) e tratar com o povo hebreu também; porque terá essa dupla porção.

E assim como José… Vejam vocês, assim como Jacó por meio de José… A Bênção da Primogenitura; vejam como veio sobre José ao Jacó abençoar a Efraim e Manassés.

Agora, a bênção de Efraim é maior: é a bênção que diz que formará multidão de nações; essa é a bênção da Igreja de Jesus Cristo. E a bênção de Manassés é a bênção que vem para 144.000 hebreus neste tempo final, e é a formação de um povo. Ele será um povo: essa bênção de Manassés é a bênção para um povo, para o povo hebreu; mas a bênção de Efraim é a bênção para multidão de nações.

E agora vejam, temos as diferentes etapas ou eras, aí temos os diferentes mensageiros da Igreja de Jesus Cristo.

E se para o Reino Milenial necessário que tenhamos oito continentes na Terra, pois já temos os nomes para os oito continentes: temos os nomes dos mensageiros da Igreja de Jesus Cristo; porque para a Igreja de Jesus Cristo é a promessa da formação de multidão de nações.

E os que ficarem vivendo neste tempo final, e sobrevivam à grande tribulação, e não forem dos escolhidos de Deus…; porque os escolhidos seremos transformados e levados à Ceia das Bodas do Cordeiro no Céu, mas ficarão aqui na Terra o resto dos seres humanos. E os que sobreviverem a esse tempo da grande tribulação, farão parte das nações que existirão durante o Reino Milenial.

Teremos a nação hebraica, teremos também o Israel celestial (que estará reinando aqui na Terra com Cristo) e teremos todas as demais nações que sobreviverão às pragas e juízos que cairão durante a grande tribulação. E quando já estivermos no Reino Milenial, já se acertará tudo o relacionado a cada território e como será repartido o planeta Terra completo, para Cristo governar.

Assim como as nações dividem, cada país divide sua nação por estados ou (como diriam Miguel?)… estados ou departamentos, pois Cristo dividirá o planeta Terra completo pelos diferentes departamentos que correspondam; e cada departamento, pois terá o nome que corresponda.

E se para a Nova Jerusalém não há um nome melhor que o Nome Eterno de Deus, para cada departamento do Reino de Jesus Cristo não haverá um nome melhor que o nome do mensageiro de cada era. E em seguida, todo esse Reino, pois será e terá o Nome de nosso Senhor Jesus Cristo.

Agora, podemos ver que é um Programa perfeito, o qual já foi refletido no meio do povo hebreu; e se cumpriu no meio do povo hebreu, pois tem que se cumprir no Programa de Deus com o Israel celestial, que são os primogênitos de Deus, escritos no Céu desde antes da fundação do mundo. Por isso é que o Israel celestial ajudará ao Israel terreno; terá a bênção maior.

Bom, vimos como Deus libera o Israel celestial, os membros do Israel celestial, os primogênitos, como liberou os primogênitos do Israel terreno: por meio do Sacrifício do Cordeiro Pascoal.

Sem esse Sacrifício não há salvação, nem sequer para os primogênitos de Deus. Todos necessitamos esse Sacrifício de Cristo; e graças a Deus que Ele o efetuou na Cruz do Calvário.

E ao nós aceitá-lo, recebê-lo como nosso Salvador; recebemos Seu Sacrifício; e Seu Sangue nos limpou de todo pecado; e Seu Espírito nos produziu o novo nascimento e nos deu o corpo teofânico, o espírito teofânico, da sexta dimensão; e nos colocou no Corpo Místico de Cristo, que é o Israel celestial (e são os primogênitos de Deus), composto pelos primogênitos de Deus, escritos no Céu, desde antes da fundação do mundo, no Livro da Vida do Cordeiro.

Vimos este mistério tão grande dos primogênitos que pertencem a Deus.

Vejam como tudo se refletiu com o povo hebreu e os pais do povo hebreu: Jacó… os patriarcas, Jacó, Isaque e Abraão.

E agora, a bênção é maior para o Israel celestial com nosso Senhor Jesus Cristo.

E agora, de quem você é? De Deus. Por quê? Porque OS PRIMOGÊNITOS PERTENCEM A DEUS.

Agora vimos de quem nós somos: do Deus criador dos Céus e da Terra.

E não restam suficientes palavras em nosso idioma, não há suficientes palavras em nosso idioma, para expressar nosso agradecimento ao nosso amado Senhor Jesus Cristo pelo que fez na Cruz do Calvário, para preservar nossa vida, para que possamos viver por toda a eternidade com Ele em Seu Reino.

E agora, vimos o porquê pertencemos a Deus: porque OS PRIMOGÊNITOS PERTENCEM A DEUS.

Que as bênçãos da primogenitura sejam sobre cada um de vocês e sobre mim também, e se materializem em nós todas essas bênçãos da primogenitura representadas na bênção que Jacó lançou sobre Efraim; e também se materialize a bênção que lançou sobre Manassés, se materialize em breve, neste tempo final, sobre 144.000 hebreus. No Nome Eterno do Senhor Jesus Cristo. Amém e amém.

Bom, já vimos — em um curto tempo vimos — esta bênção que temos, a qual pertence a nós; porque, sendo os primogênitos de Deus escritos no Céu, pertencemos a Deus e as bênçãos da primogenitura se materializam em cada um de nós como indivíduo.

Isso é o que está acontecendo; e por isso é que a bênção de Deus está em você, na sua alma e em todo seu ser; e por isso é que você será transformado: porque pertence a Deus, porque é um primogênito ou uma primogênita de Deus.

Lhes disse que o primogênito é o primeiro que foi concebido; e o primeiro que foi concebido na mente Deus, lhe corresponde a primogenitura. E nós como parte do Corpo Místico de Cristo, parte do Israel celestial, no Israel celestial foi o primeiro que Deus pensou! Portanto, os membros do Israel celestial são os primogênitos, escritos no Céu desde antes da fundação do mundo; e por isso essa Bênção da Primogenitura nos corresponde. Por isso é que reinaremos com Cristo por mil anos e depois por toda a eternidade; porque essa bênção corresponde aos primogênitos de Deus, escritos no Céu desde antes da fundação do mundo.

Bom, que Deus continue abençoando, que Deus os guarde. Amanhã estarei novamente com vocês, no tema que corresponde amanhã. (vamos ver qual é o tema de amanhã; aqui o temos, Miguel, já o tenho preparado aqui). O tema de amanhã é: “QUEM ABENÇOA E QUEM RECEBE A BÊNÇÃO”; ou seja: que ainda continuaremos falando de bênção. E isto está dentro da Bênção da Primogenitura. E vamos ver como é que essa bênção vem a nós neste tempo final; aí a veremos, e veremos inúmeras coisas importantes que necessitamos ver.

Sempre o que estivemos vendo, sabem o que é? A bênção que Deus deu a todos nós. Não importa que sejamos pessoas de um nível médio, o importante é que somos os primogênitos de Deus, escritos no Céu desde antes da fundação do mundo.

Agora podemos ver que é o nosso amado Senhor Jesus Cristo quem fez tudo isto por cada um de vocês e por mim também.

Assim que quando podemos ver tudo o que Cristo fez por nós, somente uma coisa acontece em nosso coração: que assim como um manancial produz mais água, desde o profundo de nosso coração emana ou emana [procede] mais e mais amor divino para nosso amado Senhor Jesus Cristo.

Que Deus os continue abençoando, que Deus os guarde; e novamente conosco nosso amado amigo e irmão o reverendo Miguel Bermúdez Marín. Passem todos muito boa noite.

“OS PRIMOGÊNITOS PERTENCEM A DEUS”.

[Revisão março 2020]

Eu, Jesus, enviei o meu anjo para dar a vocês este testemunho concernente às igrejas. Eu sou a Raiz e o Descendente de Davi, e a resplandecente Estrela da Manhã". Apocalipse 22:16